Arquivo para América do Sul - Página 4 de 5 - Tô Perambulando

Logo Blog de Viagens com Dicas e Roteiros

Ela não é só a porta de entrada para quem quer conhecer a região dos Lagos Andinos entre o Chile e a Argentina, Puerto Varas também tem os seus encantos, situada no sul do Chile, às margens do Lago Llanquihue e próxima aos vulcões Osorno e Calbuco essa pequena cidade, assim como Pucón, vem se destacando como um centro de ecoturismo e esporte de aventura. As atividades mais procuradas nesta região são o Rafting no Rio Petrohue, o Canyoning no Rio Blanco e Trekking nos vulcôes e nos Parques […]

Pense em um lugar mágico, cercado por lindas montanhas, com ruas limpas e casas de madeira, bons hotéis, bons restaurantes, lindos bosques rodeando imensos lagos de coloração azul. Imagine agora um vulcão com uma forma perfeita de um cone, cujo cume está sempre nevado e sua cratera expele uma fumaça branca que se confunde com as nuvens. Imaginou? Então bem-vindo a Pucón.

Bem-vindo a San Carlos de Bariloche, carinhosamente chamada de Bariloche, localizada na Patagônia Argentina, na costa sudeste do Lago Nahuel Huapi que não congela nem em invernos rigorosos e no coração do Parque Nacional do mesmo nome, bem no centro da Cordilheira dos Andes. O lugar oferece uma ampla gama de opções para o turismo, tanto convencional como de aventura, sendo um excelente destino durante todo o ano.

Atualizado em julho 2016
O Vulcão Villarrica é um dos passeios imperdíveis da região sul chilena. Está situado na cordilheira dos Andes, na região da Araucania. Seu cume se encontra a 2843 m de altitude e em seu sopé encontram-se as cidades de Pucón e Villarrica. Este vulcão permanece coberto por neve durante todo o ano e é também conhecido como Rucapillán, ou “casa do demônio” na língua mapuche.

Atualizado em julho 2016
O Rio Trancura tem águas cristalinas e corre sobre um leito de pedras que ora tem dois metros de profundidade, ora 30 cm. Durante a descida, observa-se as margens cobertas por mata nativa, e em muitos trechos a visão dos Andes acompanha o caminho. Nessa época do ano, recebe água do degelo das montanhas o que torna suas águas super geladas, em torno de 5ºC.

Buenos Aires, a mais europeia das capitais da América do Sul, certamente estará outra vez no meu roteiro, isto porque nessa viagem só tivemos dois dias para conhecer a bela capital portenha. Convenhamos, muito pouco tempo. Mas mesmo assim o sábado e o domingo que passamos na cidade foram bem proveitosos.

El Calafate, conhecida como a capital nacional das geleiras, é uma pequena cidade localizada na província de Santa Cruz, Argentina, próxima a fronteira com o Chile. Em franco desenvolvimento turístico, oferece boa estrutura hoteleira, um aeroporto pequenino, mas moderno e ótimas opções de turismo. Seu clima é frio, com média anual de sete graus, temperaturas máximas por volta dos treze graus e mínimas por volta dos dez abaixo de zero. É lá que está a maior geleira em extensão do mundo: O perito Moreno

Desta vez o destino escolhido foi a Patagônia Argentina. Localizada no sul da América do Sul, abrangendo quase dois terços dos territórios da Argentina e do Chile. São quase 800.000 quilômetros quadrados de território virgem, pouco explorado e de escassos habitantes. Uma região riquíssima em recursos naturais de incomparável beleza, fazendo deste lugar um dos mais belos do planeta. Foi nesse cenário que chegamos a Ushuaia, para iniciar uma viagem de 4 dias pela capital da Terra do Fogo.

A cidade de Santiago foi à última etapa da nossa viagem pela Bolívia e Chile. Foram 13 dias inesquecíveis em companhia dos nossos filhos, ter a companhia deles nesses dias da viagem foi para nós um privilégio. Não é qualquer dia que pai e filho podem juntos curtir uma grande aventura.

O Deserto de Atacama, foi a terceira etapa da nossa viagem pela Bolívia e Chile. Depois de cruzamos o Deserto de Sioli no sudoeste da Bolívia, passando pelas Lagunas Verde e Colorada, e entramos no Chile. Com cerca de 200 Km de extensão, é considerado o deserto mais alto e mais árido do mundo, pois chove muito pouco na região, em consequência das correntes marítimas do Pacífico não conseguirem passar para o deserto, por causa de sua altitude.