Logo Blog de Viagens com Dicas e Roteiros

Nos últimos anos, o governo do Equador favoreceu muito a área de transportes, dando acesso a baixo custo para a população como também para alavancar o turismo. E como o Equador é um país relativamente pequeno, com poucos aeroportos, as viagens são por terra mesmo com boa rede de ferrovia e rodovias que ligam as principais cidades. As passagens de ônibus são compradas em cima da hora nos guichês e os preços são muito acessíveis, acho que a mais barata de toda América do Sul.

De modo geral, o povo é bastante religioso, pois sempre se vê as portas abertas das igrejas católicas a maior parte do dia com o entra e sai de pessoas. Por outro lado, a veia indígena ainda guarda elementos xamânicos que se mesclam em costumes em todas as regiões do país. O sincretismo religioso do povo andino com a colonização espanhola ainda se propaga nos dias de hoje, seja nos costumes ou formas variadas espalhadas nas portas de igrejas de Quito, sobretudo no Centro Histórico onde se concentram as igrejas mais antigas.

Dizem que Minas não tem mar, mas a cidade de Capitólio que fica localizada no interior mineiro entre a Serra da Canastra e o Lago de Furnas, propicia belas paisagens. Esta gigantesca barragem de Furnas proporcionou um dos maiores lagos artificiais do mundo, este lago situado a mais de 500 Km do litoral, possui água verde-esmeralda com um espelho d´água aproximado de 1.440 km², quatro vezes maior que a Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro, abrange 34 municípios, entre eles Capitólio.

O Centro Histórico de Quito (Equador) – ou ciudad vieja, como também é conhecida possui o maior conjunto arquitetônico do século XVII da América Latina e o mais preservado. As ruas estreitas e suas típicas varandas floridas nos leva às obras arquitetônicas erguidas desde a época da conquista espanhola com influência da Escola Quiteña de arte e ligam as praças movimentadas, belas igrejas, conventos, capelas, mosteiros, museus e centros culturais.

Bem pertinho de Santiago estão as estações de esqui mais famosas do Chile, Farellones e Valle Nevado. Muitos não aprovam um bate e volta por achar que é pouco tempo para cada estação, não aproveitando bem as atividades que cada uma oferece. Nós optamos pois ninguém tinha prática em esquiar, por estes motivos a ida a Valle Nevado foi apenas para conhecer o complexo, pois passar o dia todo lá para quem não está acostumado a esquiar tende a ser muito cansativo e caro.

Muitos turistas quando estão em Santiago ficam indecisos para onde ir, pois a capital oferece diversos destinos turísticos, porém um só recentemente começa a figurar em todos os roteiros chilenos, a linda e exuberante região de Cajón del Maipo. Dentre tantos atrativos, como banhos termais, rafting, trekking, lagunas e vulcão, destacamos um dos principais pontos turísticos do Chile, Embalse el Yeso, localizado a duas horas e meia de Santigo (73 Km), perto de San Jose del Maipo.

Como estávamos hospedados em Santiago, realizamos “bate e volta” para conhecer as cidades de Valparaiso e Viña del Mar, porém vale muito a pena reservar um dia inteiro para cada uma delas. As duas cidades estão a pouco mais de 100 Km da capital e são banhadas pelo Oceano Pacífico, formando a região litorânea mais famosa do Chile. Valparaíso é conhecida como Valpo, e surpreende a todos pelos cerros, arquitetura, história e gastronomia, já a charmosa Viña del Mar, se destaca pelas praias, jardins e casas de veraneio.

Passear no Chile é bom demais e para os amantes do vinho é melhor ainda. A topografia aliada ao clima e um solo propício, produzem um excelente ambiente para o cultivo de uvas. Esses fatores acarretaram no surgimento de várias vinícolas, fazendo com que o país ocupe uma posição de destaque no cenário mundial na produção de bons vinhos. Centenas dessas vinícolas são abertas à visitação pública, criando assim um novo segmento para o turismo no Chile, o turismo de vinho.

A bela e mais importante cidade do Chile, a capital Santiago, recebe de braços abertos os que por ali aportam. E tudo isso vem junto com a adrenalina para os que chegam por via aérea, pois da janela do avião é possível ver boa parte da Cordilheira dos Andes coberta de neve em qualquer época do ano, principalmente no inverno. São imagens que realmente merecem algumas fotografias, porém quase sempre é acompanhada por turbulências, causadas pelos fortes ventos vindos das altas montanhas que circundam a capital.

Pense em um país longo e estreito, meio que espremido entre a cordilheira dos Andes e o oceano pacífico, que por causa dessa configuração geográfica possui grande contraste, de um lado o deserto mais árido do mundo, de outro imensas geleiras, no centro uma cidade moderna e cosmopolita e tudo isso rodeado de vulcões, muitos deles ativos, esse é o Chile, país que voltamos a visitar depois de seis anos. Nesse roteiro de onze dia escolhemos destrinchar a sua capital Santiago e arredores e o espetacular Deserto de Atacama.