Ilha de San Andrés, o mar de sete cores do Caribe Colombiano - Tô Perambulando

Logo Blog de Viagens com Dicas e Roteiros

Ilha de San Andrés, o mar de sete cores do Caribe Colombiano

Roteiro de quatro dias inteiros na ilha

San Andres

A Ilha de San Andrés

Com 26 km² de área total é a maior das ilhas que formam o arquipélago de San Andrés, Providencia e Santa Catalina, este conjunto de ilhas também é conhecido como “mar das siete colores”. Apesar de situar-se no meio do mar do Caribe, estando bem mais próximo da Nicarágua e Costa Rica, pertence à Colômbia desde 1803. Visitar uma ilha do Caribe, tem se tornado um sonho e destino desejado pelos brasileiros, e San Andrés com suas belezas naturais e por ser mais econômica quando comparada a outras ilhas como Cancún e Punta Cana, atualmente é a preferida dos brazucas.

Apesar de não possuir o glamour e a estrutura das outras famosas do Caribe, vale muito a pena conhecer San Andrés e provavelmente você como a maioria voltará um dia com certeza.

Para entrar na ilha também não é necessário levar passaporte, somente o RG atualizado e bem conservado, o papel que recebe da imigração e a tarjeta de turismo, que você paga no próprio balcão da sua companhia aérea no aeroporto de origem, que em nosso caso foi no Aeroporto de Cartagena, porém a maioria realiza esse procedimento no aeroporto de Bogotá, cujo valor é de 105.000 pesos colombianos por pessoa. Valor referente a janeiro/2018, cuja conversão simples fica em torno de U$ 40,00. Atenção, a tarjeta de turismo não fica retida na Polícia Federal. Ela é devolvida a você e será necessário apresentá-la novamente na saída da ilha.

Aeroporto de San Andrés

Como chegamos à tarde na ilha, aproveitamos para marcar os passeios e caminhar um pouco pelas ruas da redondeza, comprar alguns acessórios, como as sapatilhas, obrigatórias para andar na maioria das praias para não machucar os pés nos corais e ver o mar caribenho.

Quando é melhor ir?

Melhor época para visitar San Andres: Nos países próximos à linha do Equador, como a Colômbia, vale uma visita em qualquer época do ano, pois as estações não são muito definidas. No entanto, chuvas fortes são comuns na Colômbia e, normalmente, se intensificam durante os meses de outubro e novembro. O clima é quente durante o ano inteiro, assim como a água do mar, com temperaturas médias entre 28⁰C e 30⁰C. O tempo na ilha é muito instável, então é normal fechar do nada, cair uma chuva, e de repente abrir um céu azul e um sol de rachar. Isso é normal e dura poucos minutos no geral.

Onde Ficar?

Não faltam variedades de hospedagens em San Andrés, que vão de hostels simples e baratos até hotéis cinco estrelas, resorts no sistema all inclusive ou apartamentos alugados, no entanto há uma coisa em comum na maioria delas, chuveiro com água fria. Se possível opte por reservar um hotel próximo a Zona Central para não depender de taxi ou outro meio de transporte. Pesquise sua hospedagem aqui no nosso blog através do Booking.
Nosso grupo reservou o Apart Hotel Bahia Tropical, bem no Centro, com 3 quartos, 2 banheiros, sala grande e cozinha. Devido a isto realizamos várias refeições no apart e economizamos muito com isto. Então achamos que isso foi fundamental, pois é no centro onde tem tudo e tudo ocorre.

A Ilha de Johnny Cay e o Aquário marinho

O segundo dia ficou reservado para conhecermos a Ilha de Johnny Cay e o Aquário. O passeio sai do local que chamam de Casa de la Cultura, onde se concentram os barcos e turistas, porém nos avisaram que o passeio a Johnny Cay seria cancelado, devido às fortes ondas que impediam o embarque e desembarque na ilha, e assim permaneceu durante todos os dias que estivemos em San Andrés. Primeiro realizamos um pequeno tour pelo manguezal de San Andrés, o guia nos explicou um pouco da fauna e da flora desse ambiente lá e depois visitamos o Aquário, que infelizmente estava superlotado de turistas.

Esta atração possui um espaço de areia limitado, porém apresenta um cenário fantástico, com águas cristalinas, perfeitas para nadar e ver uma variedade de peixes, sendo um ótimo local para fazer snorkel. Ali também há um lugar onde aparecem muitas arraias, que pelos nativos são conhecidas por Mantarrayas. É possível tirar foto e tocar nelas, e por este motivo sempre existe aglomeração, porém nosso grupo não acha legal tirar animais de seu habitat natural para nada, principalmente para fotografar, então não fizemos questão de chegar perto, e só observamos de longe.

Do Aquário caminhamos pela água até uma ilhota chamada Haynes Cay que fica em frente, foi um ótimo lugar para fugir do tumulto e contemplar o paraíso. As 15h00minh o barco que nos levou pela manhã, chegou para buscar o grupo e retornamos para a ilha de San Andrés.

Haynes Cay

À noite caminhamos pelo calçadão da Peatonal, conhecemos o cassino e já no final do calçadão encontramos a placa turística ‘I LOVE SAN ANDRÉS’, onde muitas pessoas disputavam o espaço para fotografar do melhor ângulo.
Como mencionado acima não visitamos a famosa ilha de Johnny Cay, mas dizem que é paradisíaca, e vale muito caminhar por toda a ilha para conhecê-la e fotografar. Porém, a chegada e saída da ilha é algo para o qual você deve estar preparado, pois para sair e entrar na embarcação não há um cais ou qualquer outro tipo de apoio que facilite esse procedimento, o que por vezes se torna difícil devido às ondas do mar, assim idosos e crianças precisam atenção redobrada. Se tiver tempo disponível, faça os passeios de Johnny Cay e aquário em dias diferentes para melhor contemplar sua beleza. Ou faça Johnny Cay de manhã e aquário à tarde para fugir da multidão de pessoas. Antes de embarcar nos barcos em direção à ilha, é preciso pagar uma taxa para entrada na mesma, com custo de 5 mil COP por pessoa.

Passeio de Parasail para ver a ilha de cima

No dia seguinte pela manhã parte do grupo fez o parasail, já reservado antecipadamente, pois este passeio é bastante procurado, e depende das condições climáticas para ser realizado. Apesar de caro vale a pena demais, pois é uma incrível aventura, imagine poder voar sobre o famoso mar de sete cores do Caribe e ver tudo lá de cima. O dia estava perfeito para fazer o passeio, céu azul com muito sol, o que realça ainda mais as cores do mar caribenho. Esta atração consiste basicamente em um paraquedas que é acoplado a uma lancha, com uma estrutura bem segura onde colocamos um colete e literalmente voamos como um pássaro sobre o mar. Vale ressaltar que tudo é muito seguro, praticamente sem qualquer risco de acidente. O passeio é geralmente em dupla, dura cerca de 20 minutos cada voo, e de aproximadamente 02h30minh para todo o grupo. Uma boa dica e não ser a primeira dupla a subir, pois o mar fica mais bonito próximo a ilha do Acuário.

Playa de Spratt Bight

Após o almoço curtimos a Playa de Spratt Bight, que é a mais urbana da ilha, localizada bem no centro. Com águas transparentes dignas do caribe, cheia de coqueiros, cadeiras e guarda-sol para alugar e com lojas e restaurantes ao redor, é uma excelente opção para passar o fim de tarde depois dos passeios, bebendo uma cerveja gelada tendo como pano de fundo a bela ilha de Johnny Cay. À noite, como em todos os dias passeamos a pé pelo calçadão da Peatonal que fica em frente da praia. O lugar sempre tem movimento de pessoas e várias lojinhas que vendem todo tipo de produtos, desde lembranças, roupas e artigos de praia. Esse calçadão também é aconselhável para comer, pois vários restaurantes estão localizados ali.

Centrinho de San Andrés

Volta na Ilha de carrinho de golfe | Aquanauta | Jetboat

E para o quarto dia como éramos 11pessoas, alugamos 2 carrinhos (mule) para o dia inteiro, pois pretendíamos realizar a volta inteira na ilha. Este passeio de carrinho margeia toda orla marítima de San Andrés e é indispensável, sensacional e muito lindo, e pode ser feito de diferentes maneiras: moto, bicicleta, carrinho de golfe e chiva, uma espécie de caminhão adaptado para transportar passageiros. Através dele é possível conhecer todas as atrações naturais e outros locais de importância turística que a ilha proporciona, como fazer paradas na Caverna de Morgan, um dos lugares onde dizem que o pirata Henry Morgan enterrou parte de seu tesouro, La Piscinita, que é uma versão mais simples de West View, Hoyo Soplador, uma fenda que joga água para cima de acordo com o movimento das ondas e com a subida da maré, entre outras. Para se dirigir os carrinhos de golfe e mule não é exigida habilitação.

Partimos começando pelo lado Sul, passando por San Luis primeiro, onde as praias são as que possuem mais ondas e são mais desertas, um ótimo local para curtir a praia sem muitas pessoas. Paramos no mirante “I love San Andrés Island” onde muitas fotografias do mar caribenho foram realizadas e seguimos até o pequeno parque de West View, que não é exatamente uma praia, mas um excelente local para snorkel, mergulho, e aquanautas, pois a cor do mar é incrivelmente bonita e tem ótima visibilidade, o que possibilita aos turistas nadar entre dezenas de peixes de vários tamanhos e diferentes espécies.

Ali você encontrará lanchonete, local para aluguel de máscara, colete salva-vidas e calçado. Conta também com um trampolim, além de outra atração, o jetboat. Para entrar em West View é necessário pagar uma pequena taxa de 4000 COP, porém para o aquanautas e o jetboat é necessário um pagamento à parte.
Permanecemos no local até o horário marcado para o grupo realizar o aquanautas, depois novamente no carrinho de golfe seguimos para almoçar no Aqua Beach Club, bem em frente a Ilhota de Rock Cay e novamente voltamos a West View para andar no Rumba Jetboat.

West View

Na atração Aquanautas, você sempre é acompanhado por um guia, que caminha junto no fundo do mar usando somente uma espécie de escafandro, que é um capacete grande de mergulhador com ar oxigênio que te deixa parecido com um astronauta. O passeio é maravilhoso, pois há uma diversidade de peixes que chegam pertinho da gente, o que é simplesmente fantástico, além de que a sensação de estar caminhando sobre as areias do fundo do mar é algo que só fazendo para sentir. Existe ainda uma estátua de Poseidon instalada no fundo do mar onde uma fotografia junta a ela é indispensável. Vale a pena passar por esta experiência.

Caminhar no fundo do mar com capacete de mergulhador

Todo grupo participou do passeio de jetboat, que fica no mesmo local que o Aquanautas. Esta atração consiste em uma lancha de alta velocidade adaptada para até 12 pessoas e 2 pilotos que durante 25 minutos aproximadamente, faz uma série de manobras “radicais” com muita emoção no mar, como cavalos de pau e freadas bruscas que faz água espirrar para todos os lados, ocasionando banhos inevitáveis e provavelmente como no nosso grupo pessoas com hematomas no corpo. Não indicamos para idosos e crianças, pois pode ocorrer até alguma fratura.

Jetboat

A praia de Coco Plum e a ilha de Rocky Cay

No dia seguinte partimos de taxi para conhecer a praia de Coco Plum, uma praia com águas claras e calmas, com um bom trecho de areia e muito conhecido por oferecer uma área all inclusive para os hóspedes da rede de hotéis Decameron. Porém qualquer pessoa que não esteja hospedada pode passar o dia (day use) no local, desde que pague 45000,00 pesos colombianos. Pagando este valor você recebe uma pulseira de identificação que dá direito a usufruir da estrutura do hotel na praia, como cadeiras, espreguiçadeiras e guarda-sol, além de estar incluído café da manhã, almoço, um lanche da tarde com hamburguer e hot dog e todo tipo de bebidas (cervejas, refrigerantes, sucos e uma variedade de coqueteis).

A tarde depois do almoço curtimos o sol e a praia local, e parte do grupo aproveitou para conhecer também Rocky Cay, uma ilhota que fica a cerca de 10 minutos de caminhada mar adentro, andando pelo banco de areia que separa as duas porções de terra. Próximo da pequena ilha tem um navio encalhado onde boas fotos podem ser batidas. Para atravessar entre Coco Plum e Rocky Cay não é preciso saber nadar, pois a água não tem um nível elevado nessa área e você consegue atravessar caminhando. Porém é bom fazer esse percurso na parte da manhã, pois o nível do mar muda durante o dia, principalmente à tarde.

Jantar de despedida da Ilha no famoso La Regatta

A noite ficou reservada para um jantar de confraternização do grupo, uma espécie de despedida da ilha e para este evento reservamos o melhor e mais famoso restaurante, o La Regatta. É bom fazer a reserva com antecedência, pois o local é muito concorrido, está sempre lotado e ir sem reserva poderá resultar em espera ou na impossibilidade de jantar.

O lugar tem uma estrutura bem bacana, uma localização muito especial, fica sobre o mar, com uma vista linda para a Baía de San Andrés. É todo construído de madeira, a decoração com motivos marinhos é aconchegante e linda. Sentar-se próximo a uma janela e sentir a brisa do mar é o toque perfeito para que o local seja inesquecível. É um lugar ótimo para ir durante o dia, por causa da vista, ou durante o jantar, quando fica todo iluminado. A excelente comida é sua combinação de preço e ambiente é tão atrativa que a vontade é voltar mais vezes. Outro bom local para uma despedida da ilha que os brasileiros adoram é a boate Coco Loco. A boate só toca ritmos latinos com uma mistura de música eletrônica.

Conclusão

San Andrés é um lugar simples, os nativos são humildes e super gente boa. Não espere luxo, glamour, nem organização demais como em Cancun ou em outras ilhas caribenhas mais badaladas. Não tem isso lá, porém tem um mar de sete cores surreal e uma rica e incrível biodiversidade marinha que você nunca mais vai ver na sua vida, a não ser que você volte lá, hehehehe. Então preserve isso para que gerações futuras possam conhecer também essa maravilha.

Agora vamos as dicas

  • Não é necessário vacina da febre amarela, mesmo se a conexão for via Panamá ou Bogotá.
  • Colômbia é associada do MERCOSUL, logo só o RG, em bom estado de conservação e com fotografia atual, basta, por outro lado, Panamá exige passaporte, com pelo menos três meses de validade.

  • Cambio: Não troque seus REAIS por COPs em San Andrés, é mais vantajoso no Aeroporto de Bogotá.

  • Se você tiver mais tempo vale reservar um dia para visitar a Ilha da Providencia que dizem ser muito bonita.
  • A tarjeta de turismo é exigida para conhecer as ilhas de San Andrés, Providência e Santa Catalina, e você pode comprá-la no aeroporto de Bogotá por cerca de COP 51.000, no Panamá USD 25 e nos Aeroportos do Brasil por aproximadamente R$ 100,00.
  • Não foi necessário a apresentação do Certificado internacional de vacina contra Febre Amarela, porém é bom levar, já que com o surto atual no Brasil, a situação pode mudar a qualquer hora.
  • Quando for pegar táxi, negocie bastante porque eles não usam taxímetro, sendo aconselhável fechar um valor antes de sair.
  • Carrinho de golfe ou mule: para quem não tem habilitação de moto ou preza por um pouco mais de segurança, o mais comum é alugar um carrinho de golfe, que pode ser no modelo de dois, quatro ou seis lugares. Os preços podem variar entre 100 mil e 200 mil pesos colombianos, vale muito pechinchar.
  • Use e abuse de filtro solar e hidrate seus lábios o máximo que puder! A ilha é muito quente e a água do mar muito salgada. Compre lá que é mais barato.
  • Sente-se do lado direito do avião para ver o belo mar ao chegar na ilha.
  • Vai precisar de sapatilhas, apesar da água lindíssima, tem muitas pedras. Se já não tem, deixe para comprar lá, é muito mais barato.
  • A dica é ir ao Acuario e Johnny Cay pela manhã e pegar o local ainda com poucos turistas e também evitar o local nos finais de semana.

Gostou? Então compartilha!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *