Ushuaia é uma cidade do extremo sul da Patagônia Argentina. É conhecida como a cidade mais austral do mundo, fica próxima ao continente gelado, distante pouco mais de 1000 km da Antártica.

Na verdade, a pequena cidade de Puerto Williams, no Chile, está mais ao sul, mas definitivamente Ushuaia ganhou a fama com esse título. Muitos aventureiros têm como principal destino Ushuaia, pois sua localização peculiar, no ponto mais longínquo do sul da América, é um convite para os que querem cruzar o continente americano através da Rodovia Panamericana, que inicia no Alasca e termina em Ushuaia, sendo assim, considerada a maior rodovia do planeta.

Ushuaia

A cidade do fim do mundo oferece passeios variados que vão desde as estações de esqui até aos museus, porém as principais atrações são as que estão ligadas à natureza. A cidade é encantadora e arrumada, é cercada de uma paisagem incrível do mar, florestas e montanhas nevadas. Caminhamos nas proximidades do porto de Ushuaia que apresenta um belo visual das inúmeras embarcações ancoradas, principalmente grandes navios. O porto recebe muitos cruzeiros vindos de toda parte do mundo, que ali aportam especialmente para os que vão conhecer a Antártica durante a temporada de verão, além dos muitos catamarãs que fazem a navegação turística pelo Canal de Beagle.

Porto de Ushuaia

Nas imediações do porto se encontra a legendária e famosa placa com a inscrição “Ushuaia–Fim do Mundo”, a Plaza Isla Malvinas que foi criada para homenagear os mortos da Guerra das Malvinas, com a inscrição dos nomes dos soldados mortos durante a guerra contra a Inglaterra. Além de várias agências turísticas que oferecem os passeios de navegação e do Paseo de Los Artesanos que é o local em Ushuaia para comprar artesanato produzidos pelos artesãos fueguinos. Na Avenida San Martín, a principal via de Ushuaia, local onde se concentra a maior parte do comércio, lojas, restaurantes, casinos, casas de câmbio, lojas de lembranças e agências turísticas.

Parque Nacional Tierra Del Fuego

Na manhã seguinte fomos conhecer o Parque Nacional Tierra Del Fuego, localizado a 12 km do centro da cidade, um lugar ideal para caminhadas com paisagens exuberantes com vales, montanhas, florestas e lagos com águas cristalinas que se originam das geleiras. Ele protege uma parte do extremo austral da Cordilheira dos Andes, florestas imaculadas, lagos glaciais e costas marinhas com biodiversidade pertencente à canais e fiordes do sul do Chile. Durante os passeios e caminhadas é comum avistar animais como aves, zorros, cervos e castores.

Zorro

Primeiramente pegamos um land rover 4×4 que realizou um trajeto que nos deu uma visão geral dos principais pontos do parque, parando em pontos específicos para apreciação e finalizando com o passeio no trem do Fim do Mundo. Acessamos esse gigantesco parque pela Ruta Nacional 3, cruzando o Vale do Rio Pipo até chegar à entrada do parque de 68.909 hectares, que abrange uma imensa área verde, ideal para fazer trilhas e admirar suas belezas naturais. Porém apenas uma pequena parte dele é autorizado a receber visitantes.

Nossa 1ª parada foi na Laguna Verde, que com uma curta caminhada a partir do estacionamento chega ao mirador, que proporciona uma linda visão panorâmica da laguna e das montanhas ao redor. Seguimos depois para realizar uma trilha de aproximadamente 1 Km conhecida como sendero Mirador lapataya y del turbal. Começamos caminhando através de um bosque com predominância de lengas e nires, árvores típicas da região da Patagônia, até chegar ao mirante com vista para as montanhas e do Lago da Baia Lapataia, de onde se obtêm belas fotos.

Continuamos o percurso até chegar na Baia Lapataia. É aqui onde está a famosa placa indicando o fim da Ruta Nacional 3, uma estrada que cruza toda a Argentina e que faz parte da rodovia Panamericana, que liga a Ilha da Terra do Fogo ao Alasca e também a placa “As Malvinas são argentinas”. Uma passarela segue pelas margens da baía até um pequeno píer conhecido como Puertos Arias, sendo ideal para observação de aves aquáticas, como patos e outras espécies. Sem dúvida é dos lugares mais bonitos do parque.

Seguimos depois para o encantador Lago Acigami ou Lago Roca de origem glacial, localizado entre Argentina e Chile aos pés do Cerro Condor. Comentam que as cores deste lago variam de acordo com as estações do ano. Em seguida, nos dirigimos para o Centro de Visitantes Alakush. Esse centro possui um ambiente aconchegante, sendo ideal para beber um chocolate fueguino bem quente, saborear uma variedade de comidas regionais, comprar souvenires ou conhecer um pouco da história da Tierra del Fuego na mostra cultural, de tal maneira que você pode ter uma lembrança inesquecível de sua passagem pelo fim do mundo. Além de ser um ótimo local para tirar fotos, uma vez que conta com uma vista imbatível do Lago Roca, da nascente do Rio Lapataia, da Ilha dos Salmões e da colina Condor, que divide a Argentina e o Chile.

Depois de um lanche no Centro de visitantes, seguimos para a Baia Zaratiegui, de onde é possível ver a Isla Redonda e as ilhas que pertencem ao Chile. Ali também está localizado o Correio mais austral do mundo ou correio do fim do mundo, que estava fechado, mas dizem ser possível carimbar o passaporte e até mandar uma cartinha ou um cartão postal para alguém.

Finalizamos nosso passeio no parque no trem do fim do mundo, realizamos somente o passeio de volta. Nessa viagem através dos tempos, a maria fumaça resgata através de relatos um pouco da história da Patagônia, além de passar por paisagens deslumbrantes, contemplando vales entre montanhas, florestas e passando sobre rios ou margeando eles. Há uma parada em uma estação, para conhecer a Cachoeira Macarena. Também passamos pelo Presídio del Fin del Mundo, onde os presos preferiam realizar o trabalho pesado, do corte de madeira, do que ficar congelando nas celas. A parada final foi na charmosa estação do Trem do Fim do Mundo que fica localizada um pouco antes da entrada do Parque Nacional. Descemos para conhecer a estação e ouvir um pouco de sua história.

Dia de navegação pelo Canal de Beagle

No 3º dia desbravamos as águas azuis pelo lendário Canal de Beagle, que banha a cidade de Ushuaia e serve como um divisor entre os oceanos Pacífico e Atlântico e também entre as fronteiras da Argentina e do Chile. Como navegar é preciso, partimos do Porto de Ushuaia num moderno catamarã com área interna aquecida e área externa para melhor observação dos atrativos, banheiros, cafeteria e guia. O porto neste dia contava com uma infinidade de embarcações, incluindo aí 3 navios de cruzeiros.

Interior do Catamarã

O passeio é lindo e logo que a cidade fica pra trás começamos a ver paisagens de tirar o fôlego, como observar a posição privilegiada da cidade, que se encontra cercada pela imponente cordilheira nevada e seus glaciares. Nossa 1ª parada foi na superpopulosa Isla de los Pajaros, lar de inúmeras espécies de aves marinhas fueguinas, como Cormorões e Gaivotas que fazem seus ninhos na ilha rochosa. Também ali habitam patos, albatrozes e outros pássaros regionais.

Isla de los Pajaros

Na sequência paramos para observar os desengonçados e exóticos lobos-marinhos da Isla de los Lobos. Em grande número, eles se acomodam sobre as pedras à beira-mar e quebram o silêncio do oceano com seus “uivos”. Durante todo o percurso, o guia nos conta um pouco da história local e também a respeito dos animais e ilhas que avistamos.

Isla de los Lobos

Continuando, a embarcação se aproxima do famoso e emblemático Farol Les Eclaireurs, símbolo da cidade de Ushuaia e também conhecido como o “farol do fim do mundo”. Apesar de não ser o “verdadeiro” farol imortalizado no livro do escritor Júlio Verne, que se encontra na Isla de Los Estados, a torre vermelha e branca, construída em 1920, se eternizou como um dos cartões-postais da região.

Farol Les Eclaireurs

Em certo momento da navegação, resolvi curtir um pouco a parte externa da embarcação, juntamente com algumas outras pessoas, apesar do forte vento e do intenso frio, e para nossa surpresa e felicidade fomos agraciados com o aparecimento de 2 baleias jubarte, nos proporcionando momentos espetaculares com saltos e muitos esguichos de água. A galera que estava no quentinho da parte interna saiu em peso. Hehehehe. Mais adiante observamos de longe o povoado mais austral do planeta, localizado em Puerto Willians, uma ilha Chilena do Canal Beagle. Puerto Williams é uma cidade e porto chileno, localizada na costa setentrional da ilha Navarino, na Terra do Fogo Chilena, situada a somente 1090 km a norte da Antártida e a uns 100 kms ao sudeste da cidade de Ushuaia. Possui uma população de pouco mais de 2.800 pessoas. Após mais um tempo de navegação, chegamos a Isla Martillo, ponto alto desse passeio. O barco aproxima-se da orla onde é possível ver muitos, muitos, milhares de pinguins, com seu andar desajeitado. Esta ilha mais conhecida como Pinguinera, é procurada pelos pinguins em seu período de reprodução, recebendo entre outubro e final de março, período mais quente do ano, colônias de pinguins de Magalhães e pinguins-reis. Permanecemos na embarcação, de onde temos uma ótima visão do habitat natural dos pinguins. Ficamos cerca de 30min parados próximos à ilha para observá-los, fotografá-los e ouvir um pouco mais sobre esse lindo animal. São imagens encantadores, que ficarão pra sempre em nossas mentes. Para os que pretendem caminhar entre os pinguins, o destino é a histórica Estância Harberton, a mais antiga fazenda da Terra do Fogo, fundada por ingleses no século 19. De lá, botes infláveis levarão todos até a Isla Martillo, para uma agradável caminhada de 1h entre as colônias de pinguins e cormorões.

Isla Martillo

Off-road pelos lagos Escondido e Fagnano

O nosso penúltimo dia reservamos para uma aventura off-road pelos lagos escondido e fagnano. Optamos por explorar o lado norte das montanhas andinas que ainda não conhecíamos, seguindo pela Ruta Nacional nº 3, primeiro conhecemos uma castoreira, ou seja, a casa do castor. Esses animais oriundos do Canadá, foram introduzidos na Patagônia e como nessa região não há predadores naturais, se proliferaram de tal forma, que são considerados verdadeiras pragas, pois derrubam grande quantidade de arvores para construírem diques de proteção para suas casas. Posteriormente paramos no mirante Paso Garibaldi, considerado um dos pontos mais altos da travessia, que permite admirar, ao mesmo tempo, o Lago Escondido e o Lago Fagnano. A vista do local é magnífica, com linda vista panorâmica do Lago Escondido, que, como o nome diz, encontra-se camuflado em um vale por entre os picos nevados. Apesar deste lago ser mais conhecido do mirante, é possível descer até a sua margem e fazer uma caminhada em seu entorno ou um passeio de caiaque.

Paso Garibaldi

Retornando à estrada, depois de várias curvas, deixamos a ruta 3 e pegamos uma estrada de chão no meio de uma floresta com longo trecho enlameado e uma infinidade de árvores caídas, derrubadas pelos castores, até chegar as margens do Lago Fagnano, um dos maiores da América do Sul, dividindo a Argentina e o Chile. Este lago com águas claras, emoldurado por montanhas nevadas está cercado por bosques e por muitas pedrinhas em sua margem, possui água bem gelada, ruim para mergulho, mas boa para pesca. No lago há muitas trutas e salmão, peixes da região. Passamos de carro por dentro do lago, pura adrenalina e após uma parada caminhamos ora pela mata, ora pela margem até um aconchegante refúgio no meio da floresta, onde foi servido um lanche com refrigerante e vinho. Depois desse momento agradável e de viver grandes emoções a bordo de um carro 4×4, serpenteando curvas nas estradas da Cordilheira dos Andes, admirando seus bosques, lagos, mirantes e paisagens de sonhos, fechamos essa aventura no Valle de Lobos, um centro de atividades de inverno localizado na Ruta 3, nas proximidades de Ushuaia, onde foi oferecido um saboroso almoço, cujo variado cardápio incluía taças de Malbec e o famoso espeto de cordeiro patagônico entre outras coisas.

Off road dentro do lago

Este centro é muito procurado no inverno, pois oferece várias atividades, como passeios de trenó puxado por lindos cachorros husky siberianos, caminhadas com raquete de neve e passeios de moto na neve. Esta é uma boa opção para praticar uma atividade totalmente diferente e que não oferece dificuldades nem risco, como o esqui. Se você gosta de natureza e quer ir a um lugar tranquilo, sem estar cercado por muita gente, faça esse passeio aos lagos. É com certeza um sossego absoluto.

Outros passeios recomendados

  • Se você gosta de história, as opções culturais são o Museu do Fim do Mundo, o Museu Yámana e a Galeria Temática Pequena História Fueguina.
  • A Laguna Esmeralda, é um dos tantos lagos da Terra do Fogo, mas destaca-se entre os demais de Ushuaia pela coloração esverdeada que tem. O cenário é bonito, bucólico e o passeio é ideal para quem gosta de paisagens naturais e de caminhadas.
  • O espetacular trekking até cavernas de gelo do glaciar vinciguerra. Nele você viverá fortes emoções nos 10,5 Km de trilhas sinuosas com paisagens deslumbrantes do “fin del mundo. Caminhará sobre lama, pedras, cascalhos, pontes, montanhas nevadas e muito gelo. Todo seu espírito aventureiro será recompensado por paisagens impressionantes de bosques típicos da Patagônia, lagoas de águas azul-turquesa e rios límpidos até alcançar a caverna do fantástico Glaciar Vinciguerra e a Laguna de los Témpanos.
  • Aperte os cintos e abra bem os olhos, embarque em um inesquecível passeio de helicóptero, para admirar de um ângulo privilegiado as belezas da Terra do Fogo, com sua majestosa imensidão da Cordilheira dos Andes e do oceano, além de apreciar Ushuaia do alto, emoldurada pelos cumes nevados da cordilheira.
  • No inverno, esquiar no Cerro Castor é um sonho para qualquer esquiador. Além do esqui o local é ideal pra a prática de outras atividades como snowboard, trenó e snowshoeing.

Texto: Valdir Neves

Dicas

  • Onde Comer: 
    Bodegón Fueguino: Localizado na Av. San Martin, 859, Ushuaia , oferece boa comida com preço justo, onde você encontrará um menu com diversas opções, mas o cordeiro, em especial, é o que faz sucesso na casa. O famoso prato é servido de diversas formas, com variados acompanhamentos, mantendo a essência de ter uma carne macia e saborosa. e ainda aceita real com um ótimo valor
  • Onde ficar em Ushuaia: 
    Há opções hospedagem para todos turistas, tem hostels, pousadas e hoteis. Procure opções de hospedagem aqui no blog através do Booking.com.
  • Quando ir à Ushuaia 
    Todo ano, porém cada estação tem seus atrativos diferentes. Quem quer viajar para Ushuaia deverá levar em conta que as atrações turísticas e atividades são diferentes no inverno e no verão. A cidade é muita fria com temperatura média anual de 6ºC; sendo que no inverno a média fica em torno 2ºC e no verão, em torno dos 10ºC. O clima da região muda a todo instante, podendo alternar entre chuva e sol rapidamente. O ideal é levar roupas de frio, de preferência impermeáveis e que ataquem o vento. 
  • Verão: 
    Ao contrário do que se imagina, o verão é a alta temporada em Ushuaia, quando o clima está mais agradável para as atividades ao ar livre. Os dias são os mais longos do ano, pois o sol se põe por volta das 23:00 horas, com isso há bastante tempo para os passeios. Com a chegada de inúmeros cruzeiros no porto nesta estação, há um grande aumento no número de turistas. Também no verão, é a época que os pinguins podem ser vistos nas ilhas de Ushuaia, e é a melhor época para fazer caminhadas, principalmente no Parque Nacional Terra do Fogo. 
  • Inverno: 
    Esta é a melhor época para sentir o frio na pele, ver muita neve, lagos congelados, e praticar atividades de inverno, como o esqui, snowboard, moto de neve, trenó puxado por cães ou caminhar na neve. As estações de esqui de Ushuaia são de excelente qualidade e tem a temporada de neve mais longa da América do Sul devido à sua localização. No inverno, nos dias mais gelados a temperatura pode atingir 20ºC negativos, além disso, os ventos são frequentes aumentando a sensação de frio. 
  • Outono e primavera: 
    Estes meses são para quem quer um meio termo, sentir um pouco do frio, ver neve e também fazer passeios e caminhadas, como o Glaciar Martial, próximo à cidade onde se pode fazer uma caminhada e encontrar neve nestas estações. Que tipo de roupa levar para a Patagônia Argentina: Mesmo no verão a região costuma ser fria. Recomendamos que leve várias roupas para que possa se vestir em “camadas” e ir tirando uma ou outra quando for necessário, principalmente se vai fazer alguma trilha.
  • Outros acessórios: 
    Não se esqueça de levar acessórios como touca, cachecol e óculos escuros (que vão proteger seus olhos caso pegue um dia ensolarado na visita às geleiras), além de protetor solar e protetor labial. Recomendamos também que leve uma bota de trekking para que possa fazer as trilhas e passeios com tranquilidade. As botas lhe darão mais estabilidades e facilitam para caminhar no gelo, caso vá fazer algum desses passeios.

Bonus

  • A Laguna Esmeralda, é um dos tantos lagos da Terra do Fogo, mas destaca-se entre os demais lagos de Ushuaia pela coloração esverdeada que tem. O cenário é bonito, bucólico e o passeio é ideal para quem gosta de paisagens naturais e de caminhadas. A sinalização do local não é das melhores, por isso é um passeio indicado para fazer com alguém que conheça a região. A recomendação é fazer esse passeio com botas impermeáveis devido ao gelo/à lama na hora do trekking. O melhor acesso é indo até o Vale dos Lobos, depois fazer a trilha de aproximadamente 1,5 horas.
  • Mesmo no verão, caso você suba no Cerro Glaciar, esteja agasalhado e preparado para temperaturas inferiores às que se tem no nível do mar. Os ventos no cerro são muito fortes e gelados; esteja preparado para condições climáticas adversas e vá equipado com roupas e sapatos impermeáveis. Quem sobe ao Glaciar caminhando não precisa pagar nenhum valor.
  • Supermercado:
    Ushuaia não é uma cidade tão barata e, em busca de economia, muita gente faz algumas compras de lanches e bebidas nos supermercados. O La Anonima é uma rede de supermercados que tem algumas filiais em Ushuaia onde você poderá encontrar uma grande variedade de produtos. Uma boa ideia é comprar no estabelecimento água, barras de cereais, biscoitos e outros produtos que sirvam para levar na mochila durante um passeio.