Logo Blog de Viagens com Dicas e Roteiros

 

Olá! Minha história com Jericoacoara começou em 2011, quando fui conhecer pela primeira vez, após ouvir diversos elogios da minha mãe e padrasto sobre a Vila. Ambos conheceram-na em 2010 com casais de amigos (equipe Tô Perambulando) e ficaram encantados.
Comigo, aconteceu o mesmo! Assim que cheguei na vila e desci do ônibus, fiquei maravilhada com aquele “chão todo de areia”, sol escaldante e tudo muito charmoso. E para a minha surpresa, à noite era muito melhor. Sem iluminação pública, tudo à meia luz…perfeito!

 

Este foi um ano bom em termos de viagens, apesar da grande desvalorização do real, conseguimos visitar lugares fantásticos no Brasil e fora dele. Para comemorar e porque não, relembrar, publicamos aqui os cinco melhores destinos que estivemos em 2015. O grande destaque para mim esse ano foi a Chapada Diamantina, mas a viagem aos Estados Unidos e Caribe também renderam bons post. A ordem é aleatória, mas vocês podem escolher os seus preferidos.

Continuando nossa aventura pela Chapada Diamantina, chegou a vez da mais aguardada e também a mais difícil de todas, o Trekking no Vale do Pati, considerado por muitos o mais bonito do Brasil. Foram cinco dias de muita ralação, mas em total harmonia com a natureza, sem telefone, sem internet, sem barulho de carro, sem poluição, cruzando rios e Cachoeiras, subindo serras e explorando grutas, sempre cercado de paisagens espetaculares. Veja o relato escrito pelo meu parceiro de Blog Valdir Neves.

Depois da Volta a Ilha esse passeio é a atração mais procurada pelos turistas que visitam Morro de São Paulo. Também começa na terceira praia e navega no sentido anti-horário da Ilha. A primeira parada e nas piscinas naturais da ilha do Caitá onde por cerca de 20 minutos o turista pode se refrescar nas suas águas tranquilas e transparentes.

Um dos passeios mais conhecidos e procurados em Morro de São Paulo é o Volta à Ilha. É um tour muito legal de barco que contorna a ilha de Tinharé passando pelas piscinas naturais de Guarapuá e Moreré, pelas Praias da Cueira e Boca da Barra, segue pelo Rio do Inferno até a cidade histórica de Cairu, retornando à tardinha ao cais de Morro de São Paulo a tempo de ver o pôr do sol.

A Cachoeira da Fumaça está localizada dentro do Parque Nacional da Chapada Diamantina, entre os municípios de Lençóis e Palmeiras no estado da Bahia. Possui esse nome porque na época de estiagem, quando apresenta pouca água, a sua queda de grande altura, aproximadamente 380 metros, evapora-se, apresentando uma névoa formada pela ação do vento, trazendo a água de volta antes de chegar ao chão, proporcionando um lindo espetáculo a todos.

É uma linda travessia, moderada, em grande parte realizada em terreno plano, caminhando nos campos gerais do Morrão, com um pequeno declive no meio do trajeto, onde é necessário cruzar um rio, porém é uma trilha longa. Durante todo percurso ficamos bastante expostos ao sol, o astro-rei não deu moleza, mas em compensação desfrutamos de belos visuais do Pai Inácio, da Serra dos Cristais, do Sobradinho, Morro do Camelo, e das serra da Cravada e do Mucugezinho.

A Gruta da Lapa Doce é a mais famosa das cavernas da Chapada Diamantina, possui 20 Km mapeados, sendo 850 metros abertos à visitação. A entrada da gruta mede 72 metros de altura e o maior salão possui 60 metros de largura. A visitação da Gruta da Lapa Doce é permitida com grupos pequenos, de no máximo 12 pessoas. Já o Poço do Diabo fica a apenas 18Km de Lençóis, chega-se a ele em 20 minutinhos de caminhada por um trilha fácil em meio a vegetação e pedras.

Cartão postal mais conhecido de toda a Chapada da Diamantina, o Morro do Pai Inácio em Palmeiras, juntamente com a exuberante e bela Gruta da Pratinha e a Gruta azul no Município de Iraquara, são lugares imperdíveis que o turista não pode deixar de conhecer quando visitar a Chapada. São passeios que podem ser feitos a partir de Lençóis, não é necessário guia, e podem ser incluídos no seu roteiro de acordo com a disponibilidade de cada um. Então vamos a eles.

Lençóis começou a ser construída em uma época de muita riqueza com o garimpo de diamante na região, sendo conhecida como a “Capital do Diamante”. Com o fim do garimpo e a criação em 1985 do Parque Nacional da Chapada Diamantina, o turismo tornou-se a maior fonte de desenvolvimento para toda a região. A cidade então tornou-se a principal porta de entrada para que quer conhecer a exuberância e os encantos da Chapada Diamantina.