Pico do Pião: Parque Estadual de Ibitipoca - MG - Tô Perambulando

Logo Blog de Viagens com Dicas e Roteiros

Pico do Pião: Parque Estadual de Ibitipoca – MG

Trilha do Pico do Pião

Menu_Ibitipoca

Pico do Pião

No nosso segundo dia em Ibitipoca nos dirigimos bem cedo ao parque para realizarmos os 11 Km (ida e volta) do Circuito da Serra do Pião. Neste dia o grupo estava completo, então fomos para o parque dividido em 2 grupos, por ter apenas um carro disponível. Enquanto aguardávamos o outro grupo na portaria do parque, fomos agraciados com a presença de um mono carvoeiro, o maior primata do Brasil, pulando de galho em galho, um colírio para nossos olhos. A caminhada começou efetivamente no Centro de Visitantes e após 2 km, passamos pela Gruta do Monjolinho, e 3 Km depois pela Gruta do Pião e logo a seguir a Gruta dos Viajantes. Quase 2 horas depois de caminhada, apesar de trechos bem íngremes, deixando algumas grutas para visitação no retorno, chegamos a 1720 metros de altitude, cume do Pico do Pião, segundo ponto mais alto do Parque, assim chamado porque, visto de longe, assemelha-se a um pião com a ponta virada para cima. No seu topo, encontram-se as ruínas da antiga Capela Senhor Bom Jesus da Serra, onde restam apenas o altar e o piso. Dizem que a primeira missa celebrada no Pico do Pião foi em 15 de Agosto de 1925, muito antes da construção da capela. Do topo temos uma visão de 360° e é possível ver a Serra da Mantiqueira, o vale do Rio do Salto, alguns morros com matas e aglomerados urbanos, de lá também se tem uma excelente visão do nascer do sol, uma vista que recompensa o esforço da subida.

Pico do Pião

No retorno paramos na Gruta dos Viajantes, a 1.653 m de altitude, que recebe este nome por ter servido de abrigo a muitos viajantes que passaram por Ibitipoca, onde uma escadaria de madeira nos leva a entrada que dá acesso a um grande salão com rochas de formas inusitadas, iluminadas pela luz solar. Esta gruta atravessa um paredão de 200m de um lado ao outro, possuindo dois portais. Seu corredor principal segue a beira de um filete de água, possuindo várias galerias laterais com túneis de variados tamanhos. (distância da portaria: 5100m). A vegetação no seu entorno é de mata úmida, com árvores de pequeno porte e exuberantes bromélias. Saímos desta caverna extasiados por ver tanta beleza. Posteriormente passamos pela Pequena, mas charmosa Gruta do Pião localizada num paredão cercado por capão de mata, seu corredor principal de teto baixo e piso plano chega a um salão que se ramifica em algumas pequenas galerias (distância da portaria: 4500m).

Continuando a descida, chegamos rapidamente a trilha principal, que dá acesso também a Janela do Céu e a Gruta do Monjolinho, e posteriormente a trilha que dá acesso a Ponte de Pedra, onde o grupo se dividiu, uma parte seguiu em direção a Cachoeira dos Macacos e outra para o Lago dos Espelhos, a pouco mais de 500m do estacionamento, onde todos se encontraram novamente para um relaxante banho nesse lago, em suas águas geladas, que não fica a dever em nada pela sua beleza. Por fim, a prainha, na entrada do parque, que é ideal para descansar depois de um dia intenso de aventura. Almoçamos no restaurante do parque.

Pico do Pião

Por falta de tempo não realizamos todos os 5 km do trajeto do circuito das águas, que é o circuito mais popular do parque por ser o mais curto e com muitas atrações. Durante o passeio é possível encontrar lagos, cachoeiras, grutas e outras formações rochosas. Como eu já disse anteriormente, o parque é muito bem sinalizado e esse passeio não tem necessidade de contratar um guia. Nesse circuito você ira conhecer o Lago dos Espelhos, Ducha, Lago Negro, Prainha das Elfas, Prainha, Gruta dos Gnomos, Lago das Miragens, Ponte de Pedra, Cachoeira dos Macacos, Rio do Salto e a Gruta dos Coelhos, que é a atração mais próxima a entrada do parque. A Ponte de Pedra tem uma altura aproximada de 40 metros. O arco da ponte que foi formado a milhares de anos atrás, quando a correnteza era gigantesca e violenta.

Na vila não deixe de conhecer a Matriz Nossa Senhora da Conceição de Ibitipoca, que serve como marco na história do distrito. Provavelmente começou a ser construída em 1692, porém em sua fachada consta o ano de 1768, que podemos deduzir como a data da sua conclusão. E a Igreja Nossa Senhora do Rosário, construída no início do século XIX pelos escravos negros, que eram impedidos de assistir às missas na Matriz.

Considerações Finais

Este paraíso consegue unir em um Um pedacinho do céu a 1.250m de altitude, em plena Serra da Mantiqueira. O endereço da natureza em estado bruto é aqui no sudeste de Minas, na zona da mata, com paisagens inesquecíveis, Ibitipoca não é simplesmente um lugar acolhedor, é a soma das energias e do alto astral do seu povo simples e hospitaleiro. Não conheço uma só pessoa que tenha ido apenas uma vez a Ibitipoca e nunca mais tenha pensado em voltar, pois somente nesse lugar o aconchego de uma pequena vila, a aventura das cachoeiras e grutas, o frio da montanha e o calor de uma trilha ensolarada, pousadas aconchegantes e um contato incrível com a Mãe-natureza, que nos proporciona visuais indescritíveis que merecem paradas para respirar fundo e agradecer ao Criador por estar ali. Neste parque exploramos cavernas de quartzitos raras no mundo, caminhamos por espetaculares terrenos montanhosos e nos deparamos com belíssimos lagos e cachoeiras, e enseadas calmas de um tom âmbar cristalino. Sua flora tipica de campos de altitude, de um verde as vezes desbotado, mas pontilhado por flores de cores ofuscantes e variadas, com afloramentos rochosos e matas ciliares ao longo dos cursos de águas composta principalmente por uma endêmica variedade de orquídeas, bromélias, cactus e liquens e uma fauna representada por espécies exótica e em extinção que tem no topo da cadeia a onça-parda e o lobo-guará, este, encontrado facilmente a noite, rondando os acampamento a procura de alimentação, pelo maior primata das Américas, o monocarvoeiro, e pela onça pintada entre outros. Muita s aves tem presença garantida nesta unidade de conservação como papagaios e tucanos.

Antes desconhecido por muitos, atualmente é o parque mais visitado das Gerais, e destino preferido de quem aprecia praticar esporte próximo à natureza. Afinal, é preciso fôlego para enfrentar a trilha que leva a um dos pontos mais lindos do parque: a Janela do Céu. Alias na visita a Janela do Céu o queríamos mesmo era ver Deus, pois estávamos pertinho da casa dele, o Céu , olhamos pela janela e não o vimos, então achamos que ele naquele momento estava em outro comodo da casa, talvez no Pico do Pião. Pois se Deus tem casa, com certeza este lugar é uma delas.

Por estes motivos concluímos que quem visita Ibitipoca é Impossível não voltar, por que…porque faz um bem para o corpo e pra alma!

Texto: Valdir Neves

Veja Também:

Janela do Céu: Parque Estadual de Ibitipoca – MG

Circuito das Águas: Parque Estadual de Ibitipoca – MG

Conheça Conceição de Ibitipoca

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *